Dicas para reduzir a ansiedade

Dicas para reduzir a ansiedade

Dicas para reduzir a ansiedade

Quem nunca teve ansiedade por causa de uma situação estressante?

Praticamente todo mundo já se encontrou em uma situação parecida e o nível de ansiedade aumentou.

Ter ansiedade é comum e podemos até generalizar que todas as pessoas têm sentimentos de ansiedade em vários momentos da vida porque faz parte dos seres humanos.

E, na medida certa, é até saudável como, por exemplo, você se sentir ansiosa (o) com a sua festa de aniversário. Ficar preocupada (o) e ansiosa (o) para fazer um teste, uma entrevista, uma apresentação ou fazer um exame médico de rotina. Não tem nenhum problema em ter ansiedade nessas situações porque é perfeitamente normal. Ela afeta os nossos pensamentos e a forma que reagimos. Quando estamos em algum perigo físico, a ansiedade é programada para nos ajudar a focar apenas na ameaça, para que a gente descubra de onde vem o perigo, como iremos fazer para lutar e escapar dele.

Então a ansiedade e o medo andam lado a lado. São coisas naturais e precisamos normalizar isso. Uma criança precisa ter medo de algumas coisas e nós temos que estar ali para ajudar a criança a enfrentar os medos que aparecem e não zombar dela como muitas pessoas fazem.

Sentir medo e ansiedade nos faz aguçar nossos sentidos primitivos e fez com que muitas pessoas permaneçam vivas ao longo de várias gerações.

O que causa desconforto e se torna prejudicial à saúde é sempre o excesso. Tem pessoas que não conseguem controlar a ansiedade; elas sentem os sintomas frequentemente e atrapalham o seu cotidiano.

Essa preocupação excessiva e falta de controle emocional, muitas vezes, acontecem também pela antecipação de uma ameaça futura, como por exemplo o COVD-19, onde não sabíamos o que iria acontecer ou algum evento traumático.  Os casos de ansiedade de fato aumentaram com a pandemia.

A crise de ansiedade tem efeito negativo em nossas vidas diárias, relacionamentos, amizades, trabalho, e felicidade de modo geral.  Por isso, é extremamente importante se cuidar e procurar uma ajuda profissional.

Existem pessoas com mais tendência a sofrer com ansiedade do que outras. Crianças são inocentes e são expostas às redes sociais muito cedo. Então elas podem ver e ouvir alguma notícia que tragam muita ansiedade.

Os idosos se tornam muito vulneráveis e possuem o sistema imunológico fraco com o tempo. A saúde deles é prioridade; pode causar muito medo e ansiedade não só para eles, mas para os cuidadores também.

Profissionais da área de saúde também têm tendência, acreditem ou não. Os profissionais têm o contato direto com muitas pessoas doentes, muita dor, sofrimento e óbitos. Isso pode trazer mais ansiedade. Além disso, tem a preocupação de levar algum vírus ou doença para casa depois do plantão.

Precisamos estar atentos aos sinais, especialmente com essas pessoas que têm essa tendência.

Sinais comuns de ansiedade:

  • Ataques de pânico;
  • Irritabilidade;
  • Falta de concentração;
  • Fadiga;
  • Preocupação excessiva;
  • Problemas com o sono;
  • Inquietação;
  • Paranoia;
  • Isolamento.
Dicas para reduzir a ansiedade

Sinais físicos de ansiedade:

  • Falta de ar;
  • Dor de cabeça;
  • Ânsia de vômito;
  • Dor no peito;
  • Diarreia;
  • Dor de estômago;
  • Aumento da frequência cardíaca;
  • Dores musculares;
  • Suor excessivo;
  • Tremores.
Dicas para reduzir a ansiedade

Você se identificou com esses sinais?

Como eu mencionei antes, alguns sentimentos de ansiedade, em certos momentos, são completamente normais, mas é necessário procurar ajuda especializada se a ansiedade estiver afetando sua vida diária. Você não merece viver com esse sofrimento.

Não é vergonha nenhuma, na verdade você estará cuidando de você e da sua saúde. Você precisa cuidar mais de você e o médico (a) está lá para te guiar. Você terá uma conversa onde irão te perguntar sobre seus sintomas, suas preocupações, medos e emoções para descobrir o melhor tratamento.

Como você tem lidado com a sua ansiedade? O que você faz quando sente que está saindo fora do controle?

Além do tratamento profissional, existem muitas coisas que você mesmo pode fazer para ajudar a reduzir sua ansiedade, como:

  • Manter a sua mente ocupada com coisas boas e positivas,
  • Estabelecer a sua rede de suporte emocional,
  • Participar de grupos de apoio online ou presencial,
  • Praticar um exercício regularmente:

⁃ Caminhada;
⁃ Natação;
⁃ Hidroginástica;
⁃ Ciclismo;
⁃ Tênis;
⁃ Corrida;
⁃ Futebol;
⁃ Luta;
⁃ Aeróbica;
⁃ Dança;
⁃ Pilates.

  • Praticar exercícios de respiração;
  • Cuidar da sua saúde mental e física;
  • Ler mais sobre autoajuda ou fazer um curso;
  • Praticar a gratidão;
  • Parar de fumar;
  • Evitar muita cafeína;
  • Escrever;
  • Cantar;
  • Pintar ou desenhar;
  • Fazer atividades para relaxar:

⁃ Meditação;
⁃ Yoga;
⁃ Ouvir podcasts;
⁃ Ouvir música;
⁃ Admirar o nascer e o pôr do sol.

  • Comer uma dieta saudável e equilibrada;
  • Procurar métodos naturais como chás para a ansiedade:

⁃ Flor de maracujá;
⁃ Camomila;
⁃ Erva cidreira;
⁃ Valeriana;
⁃ Lavanda.

  • Beber álcool com moderação;
  • Socializar com os amigos e família;
  • Desenvolver a sua espiritualidade seja qual for a sua religião;
  • Redefinir suas metas;
  • Focar nos seus planos;
  • Cuidar do seu sono;
  • Acordar 20 minutos antes do seu horário normal para ter tempo de relaxar;
  • Policie o tempo que você gasta nas redes sociais.

Apenas coloquei algumas dicas, mas isso é muito pessoal e vai da personalidade de cada um como eu sempre digo.

Reconhecer que algo está errado com a gente não é uma tarefa fácil, mas é o primeiro passo e o fator chave para melhorar a sua vida. Se você se identificou com os sinais que eu citei, pergunte-se se não tem a possibilidade de ser ansiedade excessiva que você está sentindo.

Podemos ver que tem maneiras de reduzir a ansiedade. Repare que eu falo em reduzir porque não tem como eliminar a ansiedade das nossas vidas. Todavia, é importante a maneira que você lida com as adversidades. Se você está passando por isso, você pode procurar apoio de um médico (a), terapeuta, amigos, familiares, recursos da sua comunidade, central de apoio e etc. Um tratamento pessoal será feito e isso dependendo da gravidade da ansiedade de cada um. Podendo incluir medicação ou não.

Espero que essas dicas ajudem no seu dia a dia e você aprenda a lidar melhor quando a ansiedade bater na sua porta.

Compartilhe com alguém que você ama e está passando por algo parecido.

Não deixe de baixar o meu e-book gratuito de como melhorar a sua saúde mental.

E-Book Como melhorar a saúde mental
E-mail(obrigatório)

Gostou das dicas? Compartilhe!

VEJA TAMBÉM!